Encontre o novo talento da sua empresa ou o próximo passo de sua carreira aqui na Hays.

Como encarar seus medos e negociar um aumento salarial

Negociação salarial

A habilidade de negociação, provavelmente, é uma das mais importantes para você garantir o sucesso, tanto no trabalho quanto na sua vida pessoal. Porém, pode ser algo estressante e difícil mesmo na melhor das hipóteses.

Como expliquei em duas palestras recentes que dei à “Hays Leading Women network”, muitas pessoas são evasivas. Uma vez que acham a negociação algo tão complicado e desconfortável, elas preferem se esforçar para evitar esta situação completamente ou o máximo possível.

Além disso, esse desconforto muitas vezes é ainda maior quando você está negociando algo para si mesmo. Estudos sugerem que somos muito mais confiantes quando negociamos em nome de outros; seja para colegas de sua equipe, clientes ou seu próprio empregador. No entanto, quando negociamos algo por interesse pessoal, perdemos a confiança e nosso desempenho é prejudicado.

Para muitas pessoas, as negociações mais desafiadoras giram em torno do salário. Este é o melhor exemplo de uma negociação que é importante para o profissional e que, como resultado, deixa muitas pessoas nervosas e intimidadas com a simples possibilidade de falarem sobre sua remuneração.

No meu livro “We Have a Deal: How to negotiate with Intelligence, Flexibility and Power” eu elaborei questões sobre nossos hábitos e comportamentos com mais detalhes e diferentes maneiras para você superar seus receios e obter o resultado desejado.

Neste artigo, compartilho alguns pontos simplificados sobre como negociar seu salário e lidar com o nervosismo e o medo. Confira a seguir:

1. Tenha uma abordagem estruturada para sua conversa salarial

Para meus clientes de coaching, eu defendo a abordagem REAP (Research, Establish, Ask e Persevere) como uma forma administrável de pensar sobre como preparar e executar sua negociação salarial.

Pesquise: certifique-se de fazer sua pesquisa, refletir sobre o setor, pontuar suas contribuições e valor para a empresa e entender o que pode ser importante para seu empregador para o sucesso futuro da companhia.

Estabeleça: determine o que realmente importa para você. É o número ou são os benefícios associados, como horário flexível ou home office?

Pergunte: planeje com antecedência várias opções de propostas, tenha uma primeira escolha clara e peça por ela inicialmente. Seja preciso e evite apresentar uma proposta entre dois valores salariais – o empregador dá atenção ao valor mais baixo e você ao valor mais alto. Por fim, não demonstre que você está desconfortável com o que você está pedindo.

Persevere: Não aceite a derrota assim que ouvir um “não”. Sugira uma segunda proposta incorporando diferentes elementos de um pacote em potencial. Tenha uma estratégia para continuar a conversa através de perguntas ou sugira uma reunião com determinada frequência para expor suas contribuições.

2. Reconheça que você provavelmente vai se sentir desconfortável – e isso não é um problema 

O nervosismo realmente pode melhorar seu foco e desempenho. No entanto, se você sabe que uma negociação salarial pode leva-lo a um nervosismo extremo e prejudicial, tome medidas com antecedência para tentar administrar isso. Técnicas simples como respirar fundo e contar até dez devagar em sua cabeça antes da reunião podem ajudar. Pratique também projetar uma postura mais confiante através de sua linguagem corporal.

3. Tenha em mente que uma negociação não é algo ganancioso, egoísta ou inaceitável

Confie em seu instinto que diz que você merece isso e se atenha às suas qualidades. Isso ajudará você a permanecer confiante, focado e assertivo durante a reunião.

Este artigo é uma co-autoria de Natalie Reynolds (@AdvSpringCEO), CEO da advantageSPRING e Devon Smiley (@AdvSpringDevon), chefe da América do Norte em advantageSPRING.