Alerta de Vagas

Dicas de como sair ou não entrar em uma “saia justa”

Muitos profissionais têm dúvidas como se comportar em situações delicadas em entrevistas de emprego. Abaixo algumas situações que surgem com maior frequência e também dicas de como  contorná-las.

Perguntas ambíguas/capciosas:

A primeira dica é estar bem preparado com informações, não só sobre a sua história profissional, mas também sobre a empresa contratante.  Com esses subsídios em mãos, você consegue se sair muito bem.

Imprevistos (trânsito ruim, pneu furado, carro enguiçado, assalto, etc.):

Nesse caso deixo duas dicas importantes! A primeira é um bom planejamento para a entrevista como: sair com antecedência ou organizar o dia para um eventual atraso. Outra dica é salvar o telefone do consultor que está gerenciando o seu processo, entendendo que ocorrerá alguma mudança no plano original, avise-o com no mínimo 30 minutos de antecedência e espere instruções sobre a melhor forma de proceder.

Entrevistador mal-humorado ou informal:

Uma forma interessante de começar a entrevista é através de um “quebra gelo”, pode ser sobre algo que notou ao entrar na empresa ou durante percurso para a entrevista. Esse “quebra gelo” é importante, pois você consegue notar o humor do entrevistador e  se posicionar melhor diante dele. Sempre opte pelo “meio do caminho”, ou seja, entrevistador muito mal-humorado, seja mais direto e sério, mas nunca mais mal-humorado que ele. O mesmo se aplica ao entrevistador muito informal, passe mais detalhes e simpatia, porém sempre mantendo o profissionalismo.

Encontrar um amigo/colega de trabalho entre os concorrentes à espera da entrevista:

Situação pouco usual no nível de média e alta gestão, porém, as vezes acontece. O mais importante nesse caso é agir com a maior naturalidade possível, na grande maioria das vezes o próprio profissional se entrega ao fazer algum comentário ou até mesmo mudar drasticamente o comportamento. Você poderia estar lá por vários outros motivos: visitar um parente ou amigo; resolver alguma questão de interesse de sua própria empresa (se for do mesmo segmento ou fornecedora). Sempre existe a possibilidade de deixarmos a dúvida no ar.

Boa sorte!

Raphael Falcão
Diretor da Hays

 

|

Contate-nos

Colunistas